Não sei quem tu serás e contudo penso em ti frequentemente. Muitas vezes me detenho a divagar sobre o que estarás a fazer neste momento. Sabes, isso é muito importante para mim porque a forma como vives agora determina o tipo de homem que depois serás… e o tipo de homem com quem viverei o resto da minha vida.

Aparentemente, por uma razão qualquer estranha, a virilidade não aparece automaticamente nos homens. Alguns homens parece que gastam a sua vida tentando provar que são viris -conduzindo loucamente, praticando desportos perigosos, mergulhando às cegas, ou tendo relações sexuais…

Para nós mulheres parece muito estranho que alguns tipos pensem que se tornam homens quando têm relações sexuais. Mas, para nós, isso só prova que eles atingiram a puberdade… e isso não parece um grande feito! Tornar-se num verdadeiro homem é um processo muito mais complicado…

O engraçado nisto tudo é que, mesmo nos tempos que correm, a maioria dos rapazes quer casar-se com uma rapariga séria. Nenhum deles gosta de imaginar a sua futura mulher no banco traseiro de um carro com outro homem. Eles, claro, andam sempre atrás de raparigas que queiram ir para o banco de trás do carro, mas nunca se casarão com elas. Eles querem é casar com uma rapariga que nunca tenha tido relações ou, pelo menos, que esteja profundamente arrependida de as ter tido e que agora acredita que o sexo é uma linguagem de entrega, de amor, de “para sempre”…

Mas porque quererei eu casar com um rapaz desses? Um tipo que quer uma mulher virgem e que ao mesmo tempo passou a vida a roubar a virgindade às outras raparigas? Um homem desses não é um homem de verdade. Para mim não passa de um rapaz egoísta, imaturo, conduzido pela insegurança, e nunca pelo amor. Sinceramente, não interessa.

Eu de ti quero muito mais. Quero que tu sejas tão digno por amor a mim como eu tenho sido digna por amor a ti. Quero que sejas um homem verdadeiro, auto-confiante, não um banana que se serve das mulheres para superar os complexos. É que um homem desses nunca poderia andar a aproveitar-se dessas infelizes e, subitamente, começar a amar-me. Ele pode ser bom na cama mas é uma nulidade no amor.

Eu quero que tu aprendas como é o amor verdadeiro. Amar de verdade é colocar o outro em primeiro lugar. E não se põe o “outro primeiro”, andando por aí a usar uma rapariga, falando com ela a linguagem do compromisso permanente, quando afinal não há compromisso nenhum. E mais: esse arrisca-se a que a rapariga engravide e arrisca-se a contrair um monte de doenças… doenças que depois passará à sua mulher. A questão não é “fazer sexo”. A questão é amar. E um verdadeiro homem não se deixa dominar pelos desejos nem pelos impulsos.

Eu espero de ti que te saibas controlar com a naturalidade de um homem de corpo inteiro. Eu não quero casar com um tal que nem sequer é capaz de se controlar. Homens desses dão péssimos maridos. Quem não consegue dizer não aos 18 anos também o não vai fazer aos 40. Eu já vi muitas mulheres angustiarem-se sempre que os maridos têm uma secretária mais atraente. Eu não quero passar por isso. Que tipo de casamento seria o meu se eu não pudesse confiar no meu marido quando ele sai numa viagem de negócios?

A curto prazo, não haverá muitas recompensas para um rapaz que por amor saiba esperar. Alguns até podem gozar contigo, dizer que tu nem és homem nem és nada…

Mas há alguém que sabe que tu és um homem. Eu sei. E, no final das contas, só isso importa.

Quando eu te encontrar quero que tu sejas um homem que conscientemente tomou a decisão de esperar… por amor à nossa família futura e por amor ao nosso casamento. E eu espero de ti que sejas um verdadeiro homem que temperou o seu carácter na espera: a única escola de maturidade e de entrega.

Estas características podem não ser populares nas conversas de fanfarrões mas são-me muito caras a mim, porque farão de ti um bom marido e um pai carinhoso.

Eu abstive-me de ter relações todos estes anos e isso não se deveu a falta de oportunidades. Dizer não nem sempre foi fácil, tal como tenho a certeza que o não tem sido para ti. Mas tudo isso tornará o nosso casamento e o nosso amor muito mais sólido. O sexo será para nós a prenda que nos oferecemos mutuamente: será a linguagem exclusivamente nossa… de nós os dois apenas.

Obrigado por esperares por mim. Garanto-te que não te vais arrepender.

(Autor desconhecido)