Educação: Educação do carácter

Um conjunto de textos sobre a educação do carácter. O carácter é, talvez, aquilo que marca fundamentalmente a forma de cada pessoa ser e estar no mundo: aquilo que vem a estar por trás das atitudes e comportamentos que a pessoa tem. E pode ser educado, não sendo algo inevitável e incontornável.


O sentimentalismo

Porque o vento dos sentimentos é muito instável: ora sopra para um lado, ora sopra para o outro, ora não sopra; ora é impetuoso, ora é ameno; ora é uma brisa, ora é uma tempestade.
É verdade que o amor autêntico possui, muitas vezes, manifestações sentimentais. Nunca gostaremos verdadeiramente de ninguém se cultivamos um modo de ser frio e distante — um modo de ser egoísta. São infelizes aquelas pessoas que parecem não ter coração. Mais tarde, descobrimos que possuem um coração raquítico que ficou assim por estar centrado somente neles próprios. O caminho do egoísmo pode apresentar-se, na aparência, como uma estrada ampla e confortável. Contudo, não nos enganemos nem nos deixemos ludibriar:

Ler o texto completo

A orquestra

Passa despercebido.

O belo som que produz – que longamente aprendeu a produzir – é incapaz de se encher de sentido sozinho. Alguns instrumentos podem ser ouvidos, com agrado, sem acompanhamento; outros, nem por isso… Mas cada um deles só se torna verdadeiramente grande quando se apaga e se faz esquecer, passando oculto, como simples gota de água, no mar maravilhoso que é a sinfonia.

E há uma obediência maravilhosa. Um senhor de aspecto frágil, já com certa idade e ar de sábio, tem nas mãos uma batuta e dirige com gestos ligeiros todos aqueles sons e todas aquelas vontades individuais. O violinista não se liberta quando lhe apetece. E não pode brilhar: deve conter-se, prendendo-se aos seus tempos próprios e ao papel concreto que lhe corresponde.

Ler o texto completo

Educar o carácter

Tanto se fores pai ou mãe, como se fores, caro leitor, um adolescente a quem preocupa mudar o carácter, não queiras deixar isso para mais tarde. Começa ainda este ano. Não penses em dois nem em cinco. Não deixes para quando vierem circunstâncias favoráveis, que nunca chegam e, quando chegam, acabam por não ser tão favoráveis como pareciam. Pensa, para isso, num futuro imediato. Depois, quem sabe, será tarde.

Ler o texto completo