That thing you do – The wonders

Realizador: Tom Hanks

Actores: Tom Everett Scott; Liv Taylor; Tom Hanks

Música: Howard Shore

Duração: 108 min.

Ano: 1996

Este foi o primeiro filme que Tom Hanks realizou e no qual desempenha também um papel. Curiosamente, para a sua estreia atrás das câmaras, escolheu um filme sobre o “show business”, um tema que ele próprio conhece bastante bem por experiência própria.

O enredo baseia-se numa história verídica, sobre o conjunto musical “The Wonders”. No final, já depois do filme terminar, aparecem umas breves explicações sobre o que aconteceu até aos dias de hoje a todos os elementos do grupo. O filme retrata esta banda de música desde a sua criação até ao seu desaparecimento, precisamente na altura em que se encontravam no apogeu. O que não passava de um grupo de amigos, viu-se de repente catapultado para o estrelado. O mundo musical dos anos 60 não se pode resumir aos Beatles. Nos E.U.A., dezenas de músicos procuravam provar os seus talentos e dotes artísticos. A concorrência era grande. Mas pouco a pouco, os “The Wonders” foram ultrapassando dificuldades e lançaram o seu projecto. Veremos como um agente eficaz e atento ao mercado acabou depois por os tornar famosos… Nem todos pensavam nos resultados, nas vendas, mas cada dia que passava era isso o que mais interessava. A qualidade era importante mas a manipulação das audiências, o “timing” do lançamento do álbum e a publicidade estudava-se ao pormenor… Não eram apenas só as músicas que vendiam, era o próprio grupo…

O que é interessante é que, apesar do sucesso e dos resultados monetários, o decisivo foram as relações humanas, quer dentro do próprio grupo, quer com a produtora e o público. A conversa do agente, interpretado por Tom Hanks, com o líder da banda, sobre a personalidade de cada um dos seus elementos, deve ser analisada pela sua clareza e perspicácia. Quando tanto se fala de recursos humanos, de como motivar, ouvir e potenciar as capacidades das pessoas, este filme é um bom exemplo disso. Tanto pela positiva, como pela negativa, pois vê-se que, quando se tratou o conjunto musical como uma mercadoria a vender, o resultado final não poderia ser brilhante. O filme é divertido mas isso não o desvaloriza, pois sabe-se que muitas verdades são ditas a sorrir…

Tópicos de análise:

1. A publicidade e a aparência do “show-business”.

2. A motivação de cada pessoa no sucesso global de um projecto.

3. O desafio e o risco das oportunidades.

4. A busca do êxito a qualquer custo.

5. O papel dos agentes: oportunistas ou potenciadores de capacidades?

Encontra aqui uma curta apresentação de algumas dezenas de filmes, contendo os dados principais de cada um deles, um resumo e alguns tópicos de análise. Não se trata de filmes aconselhados por nós, mas apenas de algumas ideias que podem ajudar a escolher um filme ou a tirar partido dele do ponto de vista educativo.

Colaboração de Paulo Martins, Mestre em História e doutorando em Cinema.