Small Time Crooks

Realizador: Woody Allen

Actores: Hugh Grant; Elaine May

Duração: 97 min.

Ano: 2000

Os filmes de Woody Allen são por vezes demasiado amargos e cínicos, pessimistas perante a vida real. Não é o caso de “Vigaristas de bairro”. A moral da história é positiva e dá que pensar sobre o que significa a expressão “mundo dos negócios” e o estilo de vida que esse “mundo” pode levar consigo. Tudo isto, claro, no meio de gargalhadas exagerando situações do quotidiano empresarial.

A história é simples. Um ex-presidiário tenta realizar um assalto. Fala com amigos. Forma uma equipa. Compram uma casa perto do objectivo a roubar e decidem fazer um túnel até ao local do crime. Começam as escavações. Para disfarçar o ruído que fazem na casa, decidem que a mulher do protagonista faria bolachas e exploraria assim uma pequena pastelaria. As escavações prosseguem, mas vão dar ao local errado. Pelo contrário, quem acertou em cheio, foi a mulher. As suas bolachas são cada vez mais famosas. São de fabrico próprio. A casa nunca está vazia. A sua fama voa de boca em boca. As vendas não deixam de aumentar. Aparece num programa da TV. De repente, aquele bando de falsários formam uma empresa de sucesso.

Uma empresa precisa de ser dirigida… E aqui começa a parte interessante do filme. A gestão é sem estratégia, procurando o curto prazo. A contabilidade é entregue a um oportunista. A principal motivação de todos os elementos da equipa é extrínseca. Apesar de tudo isso, os lucros imediatos não cessam. O marketing vai funcionando, em especial na TV. A aplicação desses lucros e rendimentos é que são pouco vantajosos, pois as festas do jet-set sucedem-se num rodopio sem fim…

De repente, esta vertiginosa roda viva, pára! O filme tem de terminar. Já se percebeu a mensagem de que as empresas e a vida das pessoas não podem eternamente ser geridas daquele modo. Ainda assistimos a mais um golpe (de sorte ou de azar?) e tudo acaba. Regressamos à moral da história, com um ex-presidiário e a sua mulher. Da família à empresa e da empresa à família. Tudo está interligado.

O “mundo dos negócios” nem sempre é assim. Tudo não passou apenas de uma caricatura… mas será a nossa?

Tópicos de análise:

1. A melhor publicidade é a de boca em boca, baseada na autenticidade.

2. O rigor na contabilidade para o sucesso da empresa.

3. A estratégia de longo prazo para o êxito dos novos investimentos.

4. Como lidar com a fama.

Encontra aqui uma curta apresentação de algumas dezenas de filmes, contendo os dados principais de cada um deles, um resumo e alguns tópicos de análise. Não se trata de filmes aconselhados por nós, mas apenas de algumas ideias que podem ajudar a escolher um filme ou a tirar partido dele do ponto de vista educativo.

Colaboração de Paulo Martins, Mestre em História e doutorando em Cinema.