Alguém me disse, recentemente, que «a maioria das pessoas prefere ver um programa de televisão qualquer – mesmo que seja profundamente idiota. Navegar na net sem rumo – por simples curiosidade e para “encher” o tempo. Ouvir música estimulante – meio “ideal” para descontrair e recuperar a auto-estima. Preferem tudo isto a abrir um livro com calma e em silêncio».

Penso que esta afirmação não é nada exagerada. Observemos a realidade que nos rodeia: quantas pessoas ligam a televisão, a net, a música com a misteriosa finalidade de “desligar” a cabeça! Quanta gente consome doentiamente imagens, ruídos e sensações várias – quanto mais evasivas melhor!

Porque é que isto acontece? Talvez porque, objectivamente, essa atitude requer menos esforço do que tentar decifrar as ideias de um texto escrito.

A cultura escrita genuína – deixo de lado os romances cor-de-rosa e o jornalismo tabloide – parece que nunca será um fenómeno de massas. É uma cultura exigente – haverá, porventura, alguma digna desse nome que não o seja? Reivindica esforço e determinação. E, para muita gente, esse empenho, simplesmente, não vale a pena. Não compensa.

Também aqui se notam os efeitos de uma civilização que alguém disse – e com razão – que está “esmagada pelo consumo do que é mais imediato”. Vive intensamente o momento presente: não tem tempo para perguntar-se de onde é que vem e para onde é que vai. Sorve com avidez o que é efémero: talvez porque não acredita que exista algo que não o seja. Recusa qualquer tipo de sacrifício: Oh! Para quê? Não vale a pena! Não tenho pachorra!

Note-se que as pessoas que fogem da leitura estão no seu perfeito direito. Ninguém as obriga a mudar de atitude. No entanto, vale a pena que pensem nas consequências que isto tem para a sua vida. Deixar-se levar pelo imediato é mais fácil. Porém, a longo prazo, nem sempre é o melhor. Se não nos esforçamos por desenvolver os nossos talentos terminamos por viver como as amibas. Não tenho nada contra esses protozoários, mas acredito que o ser humano possui um bocadinho mais de capacidades.

Como tantas vezes se tem dito, “ler é pensar”, é um modo de cultivar a própria interioridade. A influência da leitura na vida de uma pessoa é enorme. É verdade que nem sempre essa influência é positiva. Existem livros que alimentam o espírito enchendo-o de verdade e de desejos de fazer o bem. Existem outros, pelo contrário, que o degradam. Os livros, como os alimentos, não estão todos ao mesmo nível. É tão importante saber escolher bem!

Para muitas pessoas, o encontro com um bom livro significou o começo do seu encontro com Deus. O pensar a fundo sobre questões importantes da vida está, muitas vezes, relacionado com o encontro a sós com um livro. Os bons livros são fonte de sentido.

(Rodrigo Lynce de Faria)