Nunca uma rapariga deixou de casar pelo facto de ser virgem. Pelo contrário, muitas perderam casamento por não o serem, e, quando não perderam, os maridos que as aceitaram experimentaram uma dor intensa ao tomar conhecimento das histórias passadas, pelo que a rapariga acabou a magoar profundamente aquele de quem mais gostava e, portanto, a quem menos quereria causar dor. E se um rapaz gosta mesmo de uma rapariga, a ponto de querer casar e viver sempre com ela, não vai deixar de o fazer pelo facto dela recusar ter relações antes do casamento, sobretudo se ela deixou bem claro, desde o primeiro dia de namoro, que não as quer ter.

(João Soares)