Dedicar tempo aos filhos não é questão de tempo. É questão de ritos. Criar laços. Este é o segredo.

E isto também funciona com os filhos adolescentes e jovens, embora requeira um pouco mais de esforço e de imaginação.

1.- Falar, falar e falar. Mas se eles nunca contam nada!… Se parecem monossilábicos!… Nesse caso…, fala tu. Conta-lhe das tuas coisas. E não confundas falar com um interrogatório interminável de perguntas.

E haverá dias, porque os há, em que o teu filho terá vontade de falar de qualquer coisa. Aproveita esses momentos para ficares calado e escutares.

Escuta, escuta e escuta. E não lhe dês conselhos nesse momento. Ele não espera que lhos dês. O que quer é, simplesmente, que o escutes.

2.- Não sejas um racionalista com o teu filho adolescente ou jovem.

Estuda, porque a vida é dura… Estuda, que não serás ninguém… Como te passa pela cabeça fazer isso?

Esse é o objectivo a conseguir e não a dizer.

Um jovem é utópico e pouco realista. Isso não é mau. Não o maces com conversas intermináveis. Não percas com sermões o pouco tempo que conseguis passar juntos.

3.- Vai à sua escola falar com os professores. Ele dirá que isso o incomoda, mas, no fundo, gosta. Porque verificará que te interessas por ele.

4.- Não confundas ser bom pai ou boa mãe com conseguir que o teu filho ande bem nos estudos. A vida do teu filho não se reduz a andar bem nos estudos, ainda que isto seja muito importante. Reflecte nisso. Talvez te dê pistas para fazer as coisas de outro modo.

5.- Sempre que for possível, tomai as refeições todos juntos. Todos almoçamos e jantamos, ainda que tenhamos muito pouco tempo. Pois esse tempo é para estarmos juntos. E prepara a conversa da refeição. Sim, assim como soa: prepara. Informa-te das coisas de que eles gostam. Música, desporto, ou a última lei sobre as discotecas.

Não se trata de ser um pai moderno. Trata-se de ter sentido comum e aprender a entrar nos seus temas quotidianos.

6.- Conquista os teus filhos. Partes com vantagem. Eles amam-te de um modo natural. Mas não adormeças.

Confia neles, embora às vezes te enganem. Finge que não notas, de vez em quando, mas não cedas nunca nas coisas importantes. Sê coerente nas tuas atitudes e pede perdão quando te enganares com eles.

Continua tu próprio a lista.

E nem passará pela cabeça do teu filho a ideia de que não lhe dedicas tempo. E tu, pai ou mãe, embora não o tenhas, fica tranquilo porque estarás a fazer as coisas bem.

Josemanuel Tarrío .

Piensa un Poco, 27.10.2003. Traduzido por MM